sexta-feira, 12 de agosto de 2016

COMUNICADO UTOPIA E LUTA.

                                 
                                             VIVA A JUVENTUDE QUE LUTA E RESISTE..



Apartir dos acontecimentos de barvarie acontecidos no dia de ontem em Sta Maria contra secundaristas e universitários que manifestavam em seu dia de forma pacifica pelas ruas da cidade.Levantamos toda nossa solidariedade junto com a indignação diante os atos de repressão acompanhados de tortura e persecução sem nenhum tipo justificativo que poda ser comprovado por parte destes sicários do sistema.Este ato como tantos outros comprovam no dia a dia a orientação totalitária e genocida das forças repressivas
criminalizando a expressão popular da juventude e dos oprimidos
no intento de induzir o terror na população em beneficio dos atropelos que de fato estão acontecendo nas areas dos direitos humanos e constitucionais.
Reiteramos toda nossa Solidariedade e indignação desde nossa trincheira, nesta includicavel luta pela Liberdade.

                                         

terça-feira, 17 de maio de 2016

Desde as panelas do feijão mexido

 
 
Desde as panelas do feijão mexido nos becos do silencio milhões de olhares temerosos observam as cidades e o desembarco das criaturas Neo colonizadoras, que junto a quinta coluna vão tomando conta com suas sirenes intimidatórias e repressivas as ruas da cidade.Um estado de sitio em andamento onde reclamar seus direitos mínimos será crime.
Assim será escrito no livro sagrado na Santa constituição da Republica Burguesa,onde já vinha sendo escrito de forma conciliatória pelo aquela/es que perderem o rumo na ressaca post ditadura e nos ventos Neoliberais.
Agora são tempos de coragem para enfrentar desde abaixo os novos rumos da nave na deriva, são tempos de sentir e unificar nossas identidades oprimidas contra novas e antigas ordens no controle de nossas urgências.Ja e hora de que os becos rompam o silencio e que as panelas do feijão mexido se transformem em trovoes de liberdade.

Morra o fascismo
Abaixo a democracia representativa.
Pelo Poder Popular
DEMOCRACIA DIRETA JÁ.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

NÃO AO GOLPE NEOLIBERAL FASCISTA.

OPINIÃO UTOPIA E LUTA
Diante os eventos presentes da atual conjuntura, que a muito tempo vimos ressaltando em nossa critica e apartir de sintomas concretos no período de governos da ex esquerda.
Cave colocar nossa preocupação e indignação com os fatos presentes apontando toda nossa Solidariedade a classe oprimida Brasileira.Muito certo que forem criados programas embriões para o desenvolvimento social,educacional,Saúde,territorial e outros, para a sociedade de baixos recursos.Mais estes programas podemos interpretar apartir de suas historias forem carentes de estimulo de participação popular e muitos deles forem controlados diretamente por agentes políticos partidários que se acomodarem nas estruturas de poder, convertendo estes programas em balcão de negócios dando as costas a os interesses de classe.No entanto na ordem de políticas estruturais,onde forem feitos os acordos de conciliação,A reforma Agrária fico sequestrada em mãos dos agentes lideres do MST governistas,com grande avanço do agro negocio, resultado ; desmatamento,agrotóxico transgênicos,extermínio de culturas originarias,migração campo cidade e seus efeitos post na sobrevivência urbana.
Estruturas de repressão militarizadas repressivas atualizadas e em posição de ameaça sempre contra qualquer manifestação popular.Silencio sobre os crimes da ditadura e seus cúmplices e ainda com o agravante de convivência conciliatória nas áreas de governo.Extermínio da juventude negra nas periferias,despreocupação o falta de coragem de enfrentar os especuladores imobiliários na demarcação e titulação de territórios culturais Quilombolas.Estimulo permanente por uma falsa qualidade de vida consumista sem importar a saúde nem o médio ambiente,só encher os bolsos do capitalista que em muitos casos era isento de impostos.Fortalecimento de uma educação universitária de perfil Neo liberal ao servição do sistema de exploração.Então podemos apontar muito mais de algumas causas que ajudarem a este pressente além do Macro projeto corporativo Imperialista para a região.
Toda nossa Solidariedade ao Povo oprimido que acreditó neste ensaio conciliatório falido.Agora são tempos de resistência apontando para uma Democracia real direta só o Povo se representa não precisamos atravessadores acomodados nem iluminados ajudando a sugar nossos tempos explorados.


NÃO AO GOLPE NEOLIBERAL FASCISTA.


PELO PODER POPULAR -DEMOCRACIA DIRETA JÁ.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Manifesto Utopia e Luta



Manifesto Utopia e Luta

De frente aos acontecimentos presentes e no desenvolvimento de um novo ataque ao o Povo Oprimido versão Fascista.
O Movimento Utopia e luta manifesta o Total repudio a estas ações de publico conhecimento,no cenário do parlamento Burguês
, que denunciam claramente que o projeto Neocolonialista associado aos dinossauros do Coronelismo histórico,pretendem avançar derrubando espaços conquistados criticamente por uma esquerda que não foi tal, mais vendeu a esperança a milhões os fazendo acreditar que estavam vivendo em Democracia.
Daremos um voto critico que foi irresponsabilidade e inexperiência em respeito a muitos e muitas pessoas que atuarem com ética e responsabilidade.
Mais que esta irresponsabilidade misturada com a arrogância de seus lideres não tem como não ser cobrada no campo da luta de classes, certamente não tem não.
O Fascismo conservador,os pro imperialistas e demais criaturas do sistema desde sempre sabemos quem são e como se combatem.
Agora depois de toda esta desastre perigoso que só pode aprofundar o genocídio já existente com etnias,oprimidos,originários e juventudes do campo e a cidade,vir a pedir por uma democracia que só existe para alguns acomodados e não reconhecer que fracassarem na formula mágica da conciliação e Pactos de ética duvidosa ?
SOMOS CONTRA O ATAQUE DE ESTA VERSÃO NEOFASCISTA MAIS TAMBÉM NÃO APOIAMOS EM NOME DA INFINIDADE DE VITIMAS INOCENTES DA CONCILIAÇÃO DE PODERES,O CONTINUÍSMO DESTA POLÍTICA QUE NADA TEM QUE VER COM A LUTA DE CLASSES.


                PELO PODER POPULAR. HASTA LA VICTORIA SEMPRE.


segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

UM VÍRUS LETAL CHAMADO AGRONEGÓCIO


UM VÍRUS LETAL CHAMADO AGRONEGÓCIO


Até onde chega o compromisso real dos governos com seus povos, sejam quais forem suas origens ideológicas ou partidárias?
Imaginemos um caminho de grãos de milho que conduz um frango que é alimentado passo-a-passo até seu destino final: o facão do açougueiro. Muitos enchem a boca com discursos supostamente “ecológicos” e “sustentáveis”, mas é fácil ver que estão comprometidos, de fato, com os setores a quem menos interessa cumprir tais princípios.
Nas cidades e no campo, o acúmulo de problemas sem soluções justas para a maioria da população é evidente. Veja as centenas de milhares de hectares de florestas centenárias que são desmatadas com o único objetivo da monocultura de transgênicos que transbordam agrotóxicos e veneno.
O mercado das madeireiras criminosas, construído e fortalecido como um anexo do extermínio ambiental.
Culturas originárias milenares destruídas, exterminadas, expulsas de seus territórios e aterrorizadas por mafiosos do agronegócio amparados na impunidade vigente.
Pequenas comunidades camponesas de agricultura familiar são forçadas a abandonar suas terras e migrarem para os grandes centros urbanos em busca de “melhores” condições de vida, educação, saúde e trabalho.
O agronegócio também tem influência direta na situação de vulnerabilidade social das mulheres, pois gera e perpetua a situação de pobreza dessa população. As poucas atividades que sobram para elas são funções precarizadas, além de receberem salários menores que não garantem sua autonomia e emancipação. Dessa forma, passa a existir uma dependência direta de políticas assistencialistas para complementarem suas rendas. Obrigadas a ver seus filhos e parentes expostos aos agrotóxicos e ao empobrecimento de suas famílias, impondo, muitas vezes, que companheiros, filhos e familiares migrem para os centros urbanos.
A Fauna nativa é exterminada deliberadamente, forçando o exílio de animais silvestres, rompendo todos os ecossistemas da autopreservação natural. Uma violência silenciosa com os seres sencientes, seus habitats e o patrimônio natural do planeta.
A grande indústria, em sua maioria de capital estrangeiro, contamina água, solo e ar com resíduos tóxicos, confinando igualmente plantas, animais e pessoas em suas linhas de produção, enriquecendo uma pequena minoria mas, no fim, atingindo sem distinção a todos pela lógica do consumismo que pauta o sistema em que vivemos.
A saúde da população do campo e da cidade é diretamente afetada por doenças, mutações genéticas, envenenamentos sistêmicos e vitimados por um mercado de transgenia que sustenta laboratórios farmacêuticos que especulam a vida das pessoas e seus recursos.
Modificações climáticas causadas pela civilização do automóvel e dos combustíveis fósseis atingem todos os continentes, impactando o clima de forma nunca vista, afetando populações, ecossistemas e a produção de alimentos.
Neste cenário nada alentador, há vários responsáveis, mas é indubitável a responsabilidade do agronegócio por trás de muitos desses problemas, sendo um dos pilares da tragédia ambiental.
Que poder é capaz de assumir as responsabilidades de dizer basta a essa devastação promovida pela grande indústria do agronegócio e do capital?
Achamos que só o Poder Popular organizado tem condições de frear tanta impunidade e injustiça.
Convocamos a OUTRA CAMPANHA para, unidos, promover todas as ações de resistência e luta necessária contra o agronegócio e seus aliados, pela emancipação e autodeterminação do povo latino americano. Convidamos os coletivos, organizações sociais, os povos originários, populações quilombolas, pequenos agricultores familiares e ao consumidor final desta barbárie – a população urbana – refém dos serviços essências como água, energia,transporte e alimentação. Entendemos que esse enfrentamento é uma responsabilidade de todos no seu dia a dia, dessa geração e das próximas, para a continua manutenção da vida e da saúde das pessoas que é tratada como produto da indústria do sistema capitalista, que nos mantém sob sua tutela, amortecidos por setores comprometidos com a continuidade do que aqui está e não devemos mais suportar.


UM CHAMADO DO MOVIMENTO UTOPIA E LUTA A NOS ORGANIZAR E
E RESISTIR DESDE A OUTRA CAMPANHA, PELA VIDA CONTRA ESTE GENOCÍDIO.




No começo pensei que estivesse lutando para salvar seringueiras, depois pensei que estava lutando para salvar a Floresta Amazônica. Agora, percebo que estou lutando pela humanidade.”

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O MERCADO DAS ESPECULAÇÕES

                   O MERCADO DAS ESPECULAÇÕES


Comecemos com a especulação imobiliária, efeito do fundamento estrutural da sociedade capitalista chamada propriedade privada. Podemos comparar ela com outras especulações que agregam a cada dia uma série de urgências indignantes, que nos submetem a um estado de impotência e de raiva de frente a tanta violência.
A especulação alimentar, a especulação laboratorial na Saúde, a Educação de orientação especulada para que o conhecimento seja concebido como produto e gerador de conforto e lucro, a especulação do transporte público e serviços essenciais. Enfim, tudo conspira como ferramenta de exploração, sugando e oprimindo a quem só conta com sua força de trabalho para sobreviver. Isso se chama Capitalismo e sua estrutura de controle e repressão é o estado burguês.
A todos estes mercados das urgências se agregam categorias organizadas com reivindicações bem estudadas para o discurso e começam a caminhada em círculos ascendentes apontando ao acomodo nas estruturas de poder em nome da revolução e outras ervas. Este discurso perverso e enganoso leva a setores dos oprimidos acreditarem como tantas outras vezes na suas promessas, massificando rumo ao destino final e fechando o círculo nas urnas da república do estado burguês. Para nós fica bem claro que estão estimulando uma renovação dirigida para a construção de uma nova geração de acomodados dentro do círculo da direita envergonhada chamada esquerda.
O Movimento Utopia e Luta seguirá seu caminho dentro da pauta do dia a dia junto aos oprimidos, construindo a outra campanha na possibilidade de suas forças sem apoiar nenhuma organização estruturada de cima para baixo e com fins meramente eleitoreiros. As teses de inserção nas massas não será na convocatória do sistema partidário institucional, será no trabalho da ação direta junto as urgências dos territórios, que são nossa respeitável referência de luta e compromisso.

domingo, 10 de janeiro de 2016

O EXTERMÍNIO SISTÊMICO EM MARCHA

                   
O EXTERMÍNIO SISTÊMICO EM MARCHA





As abelhas estão morrendo, os rios estão contaminados e secando, os alimentos envenenados, nossa/os jovens no corredor do extermínio mental e físico, tudo faz pensar no controle da natalidade seletiva sistêmica e na eliminação de 3 bilhões de seres humanos que ainda não nasceram até o ano de 2050. E nós, no imediato de nossas urgências, muitas delas não necessárias e impostas. Vivemos na desinformação total e absoluta, confiando que amanhã tudo isso vai terminar apartir de um protesto, uma denúncia virtual ou uma mudança de governo.

Temos que pensar com mais responsabilidade e comprometimento pelo menos pelo tempo que habitemos este planeta e tentar limpar a casa para o futuro de novos habitantes e da biodiversidade planetária. As experiências históricas vivídas pela humanidade em todos os tempos passados ficam sem recursos de resposta real e prática frente aos eventos irreversíveis do presente. O descontrole da tecnologia biogenética ao serviço da elite planetária afetando a natureza e seus seres vivos de todas espécies, o descontrole bélico das tecnologias armamentistas que argumentam sua construção para uma defesa irreal de seus interesses e não de um projeto de humanidade e preservação do território planetário e seus componentes biológicos. E o grande acontecimento nefasto para a liberdade humana e seus habitantes, e que os povos ainda acreditam na solução idealista de que amanha vai chover maná dos céus e tudo vai ser diferente.

Os povos ainda não aceitam no seus raciocínio que o poder das transformações nasce da raiz, de baixo para cima, para se complementar com a lei do universo onde não existe nem acima, nem abaixo.

Temos que deixar de achar e sentir que alguns dos poderes, qualquer que seja, esta pensando em nós. O que esta pensando e lutando desde suas alturas sistêmicas para que nós, os de abaixo, não consumamos agrotóxico, transgênicos, bebamos agua limpa sem contaminantes, moremos dignamente em territórios livres e seguros, que nossa/os filhos e a/os filhos de toda/os tenham uma boa assistência na saúde, uma boa alimentação, esporte, cultura e igualdade de direitos. E que os poderes sejam socializados apartir do direito cultural e étnico liberando a Autodeterminação integral de suas vidas.

Esses princípios básicos estão anos luz de qualquer intenção dos governos e seus financiadores corporativos embutidos e sem saída na borbulha do capitalismo prestes a explodir e acabar com toda sinal de vida no planeta.

Diante toda esta loucura nós também somos loucos, mais pela vida, pela liberdade, pela dignidade,
e temos que apontar o alvo certo, unindo a/os de abaixo na grande resistência na luta integral e permanente antes que o tempo se acabe. E não podemos deixar de cumprir nosso dever de casa e limpar a sujeira que habitamos para a/os que virão no Futuro!



LUTA PELO PASSE LIVRE

                                   CONVOCAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO

                                      

Companheir@s: indignad@s, oprimid@s, @s debaixo, sem dúvida estamos na hora de refletir e tomar decisões a continuar na submissão. O crescimento sistemático da violência do Estado, atingindo a sociedade desfavorecida, faz parte do planejamento neoliberal com reafirmação do colonialismo imperante há mais de 500 anos. Porto Alegre, a Capital mais segregada do País, possui uma rica trajetória resistência negra, quilombola e popular expressa pela existência de seis comunidades quilombolas urbanas, uma dezena de comunidades de Povos Originários, além de nos últimos três anos dezenas de famílias, premidas pela especulação imobiliária, famílias em sua maioria negras e periféricas protagonizam ocupações e retomadas de territórios nos vazios urbanos de reserva para especulação . As famílias negras e periféricas são concretamente, as que mais são impactadas com o modelo de "mobilidade urbana" a serviço dos empresários do transporte, além da exposição direta a violência cotidiana de Estado.
As corporações transnacionais e os grupos financeiros apátridas junto aos governos progressistas, que terminam atuando como quinta coluna, estão tomando nossos territórios, nossos recursos naturais, nosso trabalho, nossas vidas. O aumento da passagem do transporte público como ferramenta essencial da mobilidade dos trabalhadores e estudantes é um atentado à nossa dignidade!
Vamos frear esta calamidade provocada pelos empresários do transporte público e pelos governos, totalmente longe do alcance da sensibilidade com os oprimidos, que a qualquer momento podem aumentar a passagem de Porto Alegre!!
A Mesa Autônoma de Conflitos Territoriais – Articulações de Ocupações, Quilombos e Aldeias, tem como objetivo articular e unificar a luta pela terra e território no campo e na cidade, incluindo em nossa pauta a questão da Mobilidade da Cidade. Inicia-se, assim, um processo organizativo, com objetivo de construir e fortalecer a luta por transporte de Porto Alegre em conjunto com os demais usuários, aprofundando um diálogo com a população porto alegrense. Somos trabalhadores e trabalhadoras, desempregados e desempregadas, estudantes, moradores e moradoras em situação de luta pelo transporte. Organizamos-nos de forma autônoma e independente. Nós mesmos planejamos e decidimos os rumos de nossas atividades e lutas, sem depender de nenhum partido político, instituições ou empresas. Importante ressaltar que em nosso coletivo não existem líderes. Organizamos-nos de igual para igual, de forma horizontal e sem hierarquia. Acreditamos que somos nós, usuárias e usuários em conjunto com as trabalhadoras e trabalhadores do transporte, @S que devemos decidir junt@s como ele deve funcionar.
Apoiando a luta dos que decidem se organizar para transformar os rumos do seu cotidiano de moradia e mobilidade na cidade e convidamos a todos para um debate na quinta-feira, às 19 h no Utopia e Luta - Av. Borges de Medeiros, nº 719.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Atividade Rede de Comunidades Autogestionarias

       
Encontro para Estudo e Prática em Desenho de Observação e Ilustração Científica e Artística no Assentamento Urbano Utopia e Luta


O que é¿
O encontro prevê dois momentos de atividades que somam: uma oficina e uma exposição. Na oficina, os participantes buscarão catalogar e registrar através de desenho de observação, as espécies que vivem no ambiente do espaço de horta urbana do COOPSUL (Cooperativa Mista de Trabalho Solidária Utopia e Luta), desde plantas, até insetos e outros animais, gerando um material científico\artístico. A exposição, por sua vez, contará com o material desenvolvido na oficina e será realizada na noite do dia posterior no espaço Quilombo das Artes no Assentamento Urbano Utopia e Luta.

Catalogar e “dissecar” por meio do desenho o ambiente da horta urbana do Utopia e Luta tem por objetivo geral desenvolver um trabalho coletivo e criativo em que os participantes irão debater, trocar, doar ou receber conhecimentos acerca da ilustração e representação científica e artística através de estudos das espécies do próprio assentamento urbano, treinando a observação ao mesmo tempo em que adquire conhecimentos diversos sobre as espécies cultivadas na horta do espaço explorado. 
Quem pode participar¿
Recomenda-se para pessoas interessadas em desenho de observação, ilustração científica e botânica, sem restrição de idade. QUALQUER PESSOA PODE PARTICIPAR, independentemente de "saber" ou não desenhar. Basta a vontade de participar. Sendo o projeto também uma oficina, terá abertura para a (re)educação do desenho, ou seja, práticas focadas no estudo e desenvolvimento do desenho e da observação.

Material necessário:

Para uso dos mediadores:

- Datashow

- Notebook

- Impressora

- Maquina fotográfica

- Fita adesiva, crepe

- Tesouras

- Barbante

- Agulhas grossas



Para uso dos participantes em geral:

Sugere-se basicamente folhas brancas A4 e lápis de qualquer espécie de grafite e borracha macia para os estudos e esboços de desenhos.

Para outros resultados e experimentações segue uma lista de materiais possíveis (mas não obrigatório):

- Canetas hidrocor, esferográfica, nanquim;

- Lápis de cor;

- Tinta acrílica, óleo, guache, aquarela etc


Oficina: Sexta, 29 de janeiro de 2016

8:00 às 12:00 – Primeira parte da oficina.

14:00 às 18:00 – Segunda parte da oficina.


Exposição: Sábado, 30 de janeiro às 21hs


Quem ministra¿

Jorge Gularte (Artista Visual, Bacharel em Artes Visuais - UFSM, Mestre em artes visuais – UFSM, Ateliê Casa 9) e Rafael Heinen (Artista Visual, Bacharel em Artes Visuais – UFSM, Contribuinte do Ateliê Casa 9) serão mediadores na oficina, porém o encontro terá um caráter de estudo mútuo, ou seja, espera-se que os participantes também de alguma forma contribuam para o enriquecimento do trabalho trazendo suas experiências externas com desenho)



segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

SEGUNDO ENCONTRO DAS REDES E COMUNIDADES AUTOGESTIONÁRIAS
NAS TERRAS DO GRAVATÁ.
AGRADECEMOS AO/AS COMPAS DO QUILOMBO FORTALEZA QUE NOS SURPREENDEU COM ESTE BELÍSSIMO TRABALHO REGISTRANDO GRANDE PARTE DO ENCONTRO.

                    REDE DE COMUNIDADES AUTOGESTIONÁRIAS