segunda-feira, 22 de maio de 2017

Oito anos de moradia, luta e dignidade










Um dia como hoje, há oito anos, famílias, trabalhadoras, jovens, estudantes, artistas e crianças embarcavam no sonho da moradia própria com objetivos claros na construção da Comunidade Utopia e Luta.
Recurso público para população de baixo recurso, que certamente em quase uma década de posse, deu sua contrapartida à sociedade da classe oprimida, vencendo os conceitos da propriedade privada e o mal uso de um recurso proveniente das mãos das trabalhadoras e trabalhadores do Brasil.
Desde seus espaços abertos na formação, produção e geração de renda, cultura, meio ambiente e outros, sempre no estímulo da integração no campo da luta popular solidária, podemos afirmar que cumprimos com nossa parte e com o compromisso ético e revolucionário. Fazemos extensiva nossa satisfação por ter o privilégio de fazer parte de esta história Vitoriosa, a todas as organizações parceiras, pessoas e Movimentos que sempre confiaram em nossa luta. Acreditando ter cumprido com os objetivos dentro de nossas possibilidades, aportando à luta popular, uma trincheira mais em prol da emancipação da classe oprimida.


Salve Utopia e Luta uma historia de vida que merece ser vivida.

Uma estaca de quebracho em meio a enchente capitalista

terça-feira, 4 de abril de 2017

A síndrome da obediência e o medo da Liberdade.



A cada dia está ficando mais claro o profundo grau de controle do sistema de dominação econômica do Capitalismo sobre as massas, até mesmo dentro das críticas, rebeliões ou propostas chamadas de revolucionárias. O qual nos compromete a criar campos de teses, na procura dos elementos já conhecidos e suas mutações dialéticas.

“O povo, neste sistema, será eterno estudante e pupilo. Apesar da sua soberania totalmente fictícia, ele continuará a servir de instrumento a pensamentos e vontades, e consequentemente também, a interesses que não serão os seus. Entre esta situação, e o que chamamos de liberdade, a única verdadeira liberdade, há um abismo. Será sob novas formas, a antiga opressão e a antiga escravidão; e onde há escravidão, há miséria, embrutecimento, verdadeira materialização da sociedade, tanto das classes privilegiadas quanto das massas” (Bakunin)

Nestes momentos podemos afirmar que o interesse e o debate sobre o conceito de Liberdade foi substituído pelo imediatismo das urgências, gerando falsos paradigmas convenientes a correntes reformistas, que usam o mesmo estado Burguês como elemento de solução Paternalista, na procura de um novo modelo de Poder. Convertendo-se em um amortecedor favorável na continuidade do processo da exploração e até conivente com o fim de se manter no poder. O uso das contradições de uma sociedade que desconhece o poder vital e suas condições como ponto fundacional do sistema de exploração capitalista, pode até ser denominado reformismo perverso. A ausência da consciência de classe nestes setores e suas propostas passa desapercebido para as maiorias alienadas e absorvidos pelo imediatismo de suas urgências econômicas. Caso dos setores mais desfavorecidos e do consumismo obediente nos setores acomodados.


A síndrome da obediência, em troca de uma falsa sensação de bem estar com sistema republicano Burguês e a falta de propostas concretas que demonstrem o compromisso e resultados reais para sair do Capitalismo, dá como resultado esta realidade imposta da barbárie e seus absurdos.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Desde o ponto mais alto da luta de classes a SOLIDARIEDADE.


Desde o ponto mais alto da luta de classes a SOLIDARIEDADE. MNCR Gravataí,Orquídea Libertaria e Utopia e Luta acompanhando a saída dxs compas do SIMCA detidos e brutalmente agredidos pelo aparelho militar, na Ordem do governo municipal de Cachoeirinha.
Crime-Lutar pelos seus direitos trabalhistas.                              

                                                    Nenhum passo atrás Pelo Poder Popular.

O Capitalismo não se administra se combate.



                               
                                               
                                                   O Capitalismo não se administra se combate.


E muito inocente pensar que numa república burguesa de oligarquia agro-banqueira e associada ao capital corporativo internacional, a política pública seja pontualmente a social, partindo do compromisso e a responsabilidade de administrar para as massas que sofrem os absurdos inumanos da exploração e gerar câmbios estruturais. .A política Pública social esta direcionada intencionalmente como uma arma poderosa de alienação e extermínio carregada a partir das dinâmicas de risco na salvaguarda dos bens capitalistas opressores, abafando o aumento das urgências que resultaria numa unificação da consciência coletiva de classe. Aí cada setor político na disputa de seus louros de poder seja "esquerda" ou direita constrói para sua proposta de governo, onde e como será o modelo da válvula de escape para pacificar e fragmentar as estudadas estatísticas. E assim vai, de governo em governo, partido em partido, discurso em discurso. e nós, os de baixo na correria acreditando, geração em geração, que amanhã vai mudar e se não mudar apoiaremos o menos pior junto com a melhor arte discursiva tocando vida com a frase "e vai fazer o que? ".

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Em solidariedade a xs de baixo que lutam.


"Esquerda" vai, Direita vem,discurso vai discurso vem mais todo esse jogo de poderes conciliados, no fato de aceitar o estado Burgues capitalista como ferramenta os converte em farinha do mesmo saco.
O que não muda são as vitimas sempre xs de Baixo, jovens negrxs das periferias Povos originários, população em situação de rua incluindo a violência acentuada contra mulheres e crianças de forma integral.
Essa violência barbara inumana de um estado repressor e genocida não deixa outra alternativa entre tanto atropelo, que fazer uso do direito legitimo de protestar demostrando sua desconformidade.
2013 o ponto alto, confluente de milhões de indignados por todo o pais impulsa a sínteses para que miles na maioria jovens se convocaram sair as ruas levantando a bandeira histórica do Passe livre.Cada um com sua indignação sem eco aglutinador,ambientalistas,direitos humanos,direito a cidade,cultura,igualdade de gênero,desempregados,extermínio da juventude negra,agrotóxicos etc.Mais todxs conscientes que marcharão contra o mesmo inimigo,o Estado Capitalista,muito alem de ser Governo de "esquerda"ou direita.
Aqui Porto Alegre presenciamos forças militares instruídas e preparadas para a guerra cortando ruas e reprimindo pessoas indefesas maiorias jovens que só exerciam seu legitimo direito ao protesto. Consequências,detidxs,feridxs,procesadxs.
No dia de hoje diante a sequencia histórica desse período de luta e de injustiças na abertura dos processos Utopia e Luta declara toda sua solidariedade a os lutadores comprometidos nesta ação da injustiça burguesa! .
Nem um Passo atrás.
Arriba os que lutam.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Texto aprovado no encontro coletivo do dia 29 de julho do 2007


                                              UTOPIA E LUTA



Utopia e luta são duas palavras que resumem e sintetizam a verticalidade do povo trabalhador e oprimido no percurso da história da humanidade.
Incalculáveis são as lutas acontecidas além dos tempos resistindo à barbárie desumana dos poderosos. Incalculáveis são as vidas injustamente perdidas dos companheiros ao longo da história nos campos de batalha, sempre em condição de desvantagem.
Mas o povo no século XXI está ciente dos desafios, consciente de suas responsabilidades, levantando as bandeiras da justiça social.
São os movimentos pela reforma agrária, urbana, pelo meio ambiente, os direitos das mulheres, movimentos contra a discriminação sexual, movimento negro, indígena, estudantil, Movimentos com M maiúsculo que lutam pela vida e a dignidade de nossos sofridos povos.
Os últimos estudos sobre a superpopulação,a poluição ambiental e o aquecimento global são previsíveis e as perguntas de “-O que fazer?” são parte de uma equação ainda sem solução. Pensar na alimentação, saúde, geração de renda, moradia, consumo de energia, desenvolvimento sustentável, lixo, poluição ambiental, educação, segurança, recursos naturais e vitais, principalmente a água, só deixa muitas dúvidas se seremos capazes de resolver.
Bastou menos de 200 anos de capitalismo, sistema genocida, para colocar em risco os bilhões de anos de vida do planeta. Os movimentos sociais, como ferramenta indispensável da organização popular, têm o dever histórico de assumir com responsabilidade a ação revolucionária. O desafio desta batalha certamente definirá o futuro das próximas gerações. Reorganizar o confronto das luta de classes é indispensável, bem como reabrir o debate interno nos movimentos sociais sobre o vínculo histórico com a esquerda institucional.
Nosso grupo Utopia e Luta declara-se soberano de suas decisões na livre prática de sua legítima autodeterminação, sempre disposto ao diálogo de conteúdo revolucionário com todos os segmentos da sociedade trabalhadora e organizações políticas institucionais com o fim de acelerar o processo de reorganização revolucionária.
Debater estratégias para atingir objetivamente o capitalismo é nossa prioridade. A educação e a formação política serão a base da construção de eixos comuns na orientação da luta de ação direta no confronto cultural com a mídia dominante. As redes de comunicação alternativas, como rádio comunitárias, jornais e similares, assim como a construção de propostas artístico-culturais de comprometimento na formação de opiniões, terão um papel de grande importância em nosso projeto. Usaremos todas nossas forças na reconstrução do tecido social solidário e participativo, priorizando a construção de núcleos de geração de renda, como objetivo básico o reencontro com a dignidade individual e coletiva do povo trabalhador.
Convocamos todas as força políticas e sociais a refletirem responsavelmente, a procurarem eixos indispensáveis capazes de unificar a luta no combate ao nosso inimigo, o capitalismo.

Texto aprovado no encontro coletivo do dia 29 de julho do 2007

domingo, 25 de dezembro de 2016

Por um presente de emancipaçao e dignidade.


Como cada 365 dias na medição cronológica estabelecida, até nos convencerem que no dia 366 começa outro ciclo independente do tempo passado e que nossas vidas são fragmentos de tempo ordenados um cima de outro, estilo maço de folhas de papel. Todos sabemos bem, que originalmente as celebrações na cronologia da sociedade humana eram marcadas por eventos naturais relacionados diretamente com a manutenção e sobrevivência da espécie, a partir de sua relação com a natureza. Mas a realidade civilizatória imposta a mais de 2000 anos, tem transformado o calendário em uma arma de dominação alienante e poderosa no dia a dia de nossas existências. Sem dúvida, chegaram a controlar em forma massiva e pontualmente a benefício de seus mercados econômicos dominantes, nossos sentimentos e emoções, desovando o fruto da exploração no dia e na hora marcada. Momento em cada um de nós esquece que ê cada qual, para amanhã ser quem nunca deixo de ser. Trabalha, consome, sonha, consome, ri, consome, chora, consome, nasce, consome, morre, consome... que o Capitalismo será feliz. Governo vai, governo vem, no efeito camaleão e o Estado opressor sempre impune sugando nossas vidas em benefício de uns poucos. Tudo isto não ê uma mensagem tipo "Muro das lamentações", ê uma mensagem ainda de esperança, para refletir em cada um de nós, em nosso imaginário e nos valorizar por cima da imposta sistêmica opressora e desumana, que a cada dia nos quer convencer de trocar solidariedade por individualismo, conforto por silêncio, submissão por medo, vida por morte. Nós passaremos, outr@s chegarão, mas nossas memórias resistirão ao passar do tempo e os calendários, erguidas, firmes, sem claudicar, por aquel@s que entregaram suas vidas e nos alimentam no dia a dia para continuar até onde seja necessário, por um mundo sem oprimidos nem opressores.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

COMUNICADO UTOPIA E LUTA.

                                 
                                             VIVA A JUVENTUDE QUE LUTA E RESISTE..



Apartir dos acontecimentos de barvarie acontecidos no dia de ontem em Sta Maria contra secundaristas e universitários que manifestavam em seu dia de forma pacifica pelas ruas da cidade.Levantamos toda nossa solidariedade junto com a indignação diante os atos de repressão acompanhados de tortura e persecução sem nenhum tipo justificativo que poda ser comprovado por parte destes sicários do sistema.Este ato como tantos outros comprovam no dia a dia a orientação totalitária e genocida das forças repressivas
criminalizando a expressão popular da juventude e dos oprimidos
no intento de induzir o terror na população em beneficio dos atropelos que de fato estão acontecendo nas areas dos direitos humanos e constitucionais.
Reiteramos toda nossa Solidariedade e indignação desde nossa trincheira, nesta includicavel luta pela Liberdade.

                                         

terça-feira, 17 de maio de 2016

Desde as panelas do feijão mexido

 
 
Desde as panelas do feijão mexido nos becos do silencio milhões de olhares temerosos observam as cidades e o desembarco das criaturas Neo colonizadoras, que junto a quinta coluna vão tomando conta com suas sirenes intimidatórias e repressivas as ruas da cidade.Um estado de sitio em andamento onde reclamar seus direitos mínimos será crime.
Assim será escrito no livro sagrado na Santa constituição da Republica Burguesa,onde já vinha sendo escrito de forma conciliatória pelo aquela/es que perderem o rumo na ressaca post ditadura e nos ventos Neoliberais.
Agora são tempos de coragem para enfrentar desde abaixo os novos rumos da nave na deriva, são tempos de sentir e unificar nossas identidades oprimidas contra novas e antigas ordens no controle de nossas urgências.Ja e hora de que os becos rompam o silencio e que as panelas do feijão mexido se transformem em trovoes de liberdade.

Morra o fascismo
Abaixo a democracia representativa.
Pelo Poder Popular
DEMOCRACIA DIRETA JÁ.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

NÃO AO GOLPE NEOLIBERAL FASCISTA.

OPINIÃO UTOPIA E LUTA
Diante os eventos presentes da atual conjuntura, que a muito tempo vimos ressaltando em nossa critica e apartir de sintomas concretos no período de governos da ex esquerda.
Cave colocar nossa preocupação e indignação com os fatos presentes apontando toda nossa Solidariedade a classe oprimida Brasileira.Muito certo que forem criados programas embriões para o desenvolvimento social,educacional,Saúde,territorial e outros, para a sociedade de baixos recursos.Mais estes programas podemos interpretar apartir de suas historias forem carentes de estimulo de participação popular e muitos deles forem controlados diretamente por agentes políticos partidários que se acomodarem nas estruturas de poder, convertendo estes programas em balcão de negócios dando as costas a os interesses de classe.No entanto na ordem de políticas estruturais,onde forem feitos os acordos de conciliação,A reforma Agrária fico sequestrada em mãos dos agentes lideres do MST governistas,com grande avanço do agro negocio, resultado ; desmatamento,agrotóxico transgênicos,extermínio de culturas originarias,migração campo cidade e seus efeitos post na sobrevivência urbana.
Estruturas de repressão militarizadas repressivas atualizadas e em posição de ameaça sempre contra qualquer manifestação popular.Silencio sobre os crimes da ditadura e seus cúmplices e ainda com o agravante de convivência conciliatória nas áreas de governo.Extermínio da juventude negra nas periferias,despreocupação o falta de coragem de enfrentar os especuladores imobiliários na demarcação e titulação de territórios culturais Quilombolas.Estimulo permanente por uma falsa qualidade de vida consumista sem importar a saúde nem o médio ambiente,só encher os bolsos do capitalista que em muitos casos era isento de impostos.Fortalecimento de uma educação universitária de perfil Neo liberal ao servição do sistema de exploração.Então podemos apontar muito mais de algumas causas que ajudarem a este pressente além do Macro projeto corporativo Imperialista para a região.
Toda nossa Solidariedade ao Povo oprimido que acreditó neste ensaio conciliatório falido.Agora são tempos de resistência apontando para uma Democracia real direta só o Povo se representa não precisamos atravessadores acomodados nem iluminados ajudando a sugar nossos tempos explorados.


NÃO AO GOLPE NEOLIBERAL FASCISTA.


PELO PODER POPULAR -DEMOCRACIA DIRETA JÁ.